Home > Entrevistas | Fotógrafos > Entrevistamos Johnny

Cinofilia-BR – A p a i x o n a d o s   p o r   C ã e s
Entrevistamos o Johnny Duarte
Onde | Cotia-SP

 

Porquê | Com um trabalho fantástico é indiscutívelmente é um dos grandes fotógrafos de nossa fauna e flora do Brasil, aliando um olhar particular produzindo enquanto operador fabulosas imagens.

Nos envie o seu curriculum ok.

(http://fotoanimal.com.br/index.php?option=com_content&task=view&id=29 )

Nos envie fotos para um breve portifolio.

 

E n t r e v i s t a

Cinofilia-BR – Como você conheceu a fotografia?

Johnny- Meu pai é fotografo de cavalos, desde pequeno eu o acompanhava em alguns trabalhos durante minhas férias e de vez em qdo aos finais de  semana. Aos 15 anos, durante uma viagem, deixei de almoçar para trazer meu primeiro equipo semi pro (câmera SLR com 2 lentes) foi ai que meu pai começou a olhar com carinho esta minha atitude e então passou a me ensinar.

 

Cinofilia-BR – Como foi seu inicio com a fotografia?

Johnny – Minha primeira foto publicada foi um Still de um “bridão” da marca Polizeli, eu tinha 16 anos na época. Aos 18, já podendo dirigir, consegui de fato meus primeiros clientes, em sua grande maioria, criadores de Cavalo Árabe.

 

Cinofilia-BR – Para você “fotografar é colocar na mesma linha de mira a cabeça o olho e o coração” – Henri Cartier Bresson?

Johnny – Bem por aí… considero a fotografia uma caça… atiramos e capturamos frações do tempo, claro que os grandes “caçadores” caçam com estratégia, procuram os melhores os ângulos para o “shot” (em inglês, o termo “shot” (disparo) é usado tanto para armas como para clicks)… é assim que vejo as fotos de animais, por outro lado, em alguns trabalhos, minhas fotos são “poemas escritos pela luz”.

 

Cinofilia-BR – Ao longos destes anos sempre acompanhei seu trabalho e sem sombras de duvidas ele é fantástico. Nos fale um pouco sobre o seu processo de criação fotográfica e de edição fotográfica?

Johnny – Como diria Claudio Feijó (Fotografo), o artista é um “eterno angustiado”, estamos sempre procurando ilustrar nossos sonhos, sempre criando nossas realidades fictícias, sempre buscando mostrar ao mundo como enxerga-lo… mostrando as vezes detalhes que passam despercebidos… mas que temperam o dia a dia… enfim… acho que fui claro..(rsrsrs) mas é difícil explicar, sinto que meu trabalho virou referencia no mercado de cinofilia (já rastreei muito IP de fotografo fuçando meu portfólio para se inspirar), e com isso me sinto sempre na obrigação de continuar inovando.

Cinofilia-BR – Sua estética fotográfica é fantástica – como você poderia dar dicas para este desenvolvimento?

Johnny- Não há como explicar, procuro sempre a melhor luz e o melhor angulo, onde tudo possa “se encaixar” harmonicamente. Fui diretor de arte por 10 anos, sem duvidas isso contribuiu muito em meu estilo fotográfico.

Cinofilia-BR – Muitas pessoas já utilizaram os adjetivos “magnífico” e “Impressionante” “Mágico” “Mago” para analisarem a sua obra. O que você espera que as pessoas sintam com suas imagens?

Johnny – Espero que sintam… para mim a foto perfeita é a foto que provoca alguma emoção.

Cinofilia-BR – No seu processo de criação o que vem primeiro “imagem” ou “idéia”?

Johnny – Ideia.. Sempre… quem parte de imagem é porque acertou sem querer…rsrsrsr

Cinofilia-BR – Nos conte como foi sua experiência trabalhando em agências de Publicidade, e em que isso ajudou no seu trabalho atual?

Johnny – Trabalhar em agencia de propaganda é fantastico, a dinamica é sempre intense, aprendemos a lidar visualmente com cada tipo de publico, aprendemos a desenvolver os conceitos por trás da imagem, enfim…Ajudou muito, sem duvidas… também no que se diz respeito a pós produção.

Cinofilia-BR – Em São Paulo, é possível uma dedicação exclusiva como fazer somente foto Animal, editorial, ou é preciso se diversificar?

Johnny – Diversificar sempre é bom… afinal “uma mente que se abre para uma nova ideia, nunca mais retoma seu tamanho original. Eisntein”. Diversifando sempre aprendemos. Por muitos anos atuei somente com animais, mas hoje atendo outras areas. Mas confesso que por diversão…

Cinofilia-BR – Nos fale um pouco sobre seu trabalho artístico como o “Gato Preto”, e seus prêmios, e nos conte como é o processo de seleção destes trabalhos transformando-os em arte?

Johnny –Eu tenho uma série de quadros que montei com algumas de minhas imagens, até agora, esta coleção possui 11 imagens e qdo fui convidado a participar, levei as 11… A escolha foi difícil, mas quem “bateu o Martelo” foi a Sra Lívia Bucci, curadora da Bienal de Roma, responsável pela Am. Latina.

Cinofilia-BR – seus trabalhos para exposições recebem tratamento específico para este fim. São trabalhos no campo do Fine Art?

Johnny- sim, aguns podem ser considerados.

Cinofilia-BR –  Algum fotografo ou trabalho – no campo da fotografia animal lhe inspirou no processo de criação de peças artística?

Johnny- Infelizmente, qdo comecei (em 1996), as referencias fotográficas que haviam eram muita fracas, por isso resolvi “mostrar com devia ser feito”…rsrsrs

Cinofilia-BR – Qual a importância de prêmios, publicações e livros para a carreira de um fotógrafo?

Johnny-  Reconhecimento

Cinofilia-BR – Tenho visto uma intensa atividade sua no campo da fotografia de publicidade. O que lhe chama a atenção em nesta área?

Johnny- O Desafio, a foto publicitária é extremamente exigente.

Cinofilia-BR – Hoje, o que ainda lhe atrai fotografar ou ainda pensar em fazer? Quais são seus próximos ensaios e metas para o futuro?

Johnny – Meus planos estão nas mãos de Deus, os planos DELE para minha vida são maiores que os meus… Costumo dizer que sou um profissional com coração de amador (amador é aquele que faz por amor) e portanto, minha diversão também é fotografar… tudo que belo me atrai, gosto de mostrar ao mundo como eu o vejo…

Cinofilia-BR – Toda a sua produção é sempre espetacular e atraente, sua cor e temperatura são lindas. Como você define seu estilo, e que dicas poderia nos dar para evoluirmos no campo da fotografia animal?

Johnny- Pura sensibilidade, fotografia não pode seguir regras, não prenda-se ao histograma… procure ilustrar seus sonhos em suas imagens.

Cinofilia-BR – Tendo já vencido e sido agraciado com vários prêmios, o quanto ser premiado é importante na carreira de um fotografo?

Johnny- Isso traduz credibilidade, competência e consistência em meu currículo.

Cinofilia-br – Sabemos que irá participar do maior encontro de fotografia do Brasil , como palestrante, nos conte suas experiências nesta área, bem como suas pretensões para o futuro neste campo do ensino. Quais serão os temas abordados no seu workshop?

Johnny- Dei uma “destrinchada” no mercado, e passei dicas importantes para quem quer se aventurar na área e fizemos uma pratica comentada no placo, o evento foi um sucesso, pouco mais de mil pesssoas lotaram o auditório do Memorial da America Latina e todos saíram com gostinho de “quero mais”

Cinofilia-BR – Atualmente não temos mais a necessidade de fotografarmos com filme. Como é o seu ato fotográfico, ele faz-se com câmeras digitais ou ainda usas filme, trabalha com câmeras de médio formato?

Johnny – Pois é… um filme captura pouco mais de 5 mil cores, uma câmera digital 14bits cerca de 32 milhões de cores (mas o processo off set só consegue reproduzir cerca de 2000), mas lembramos que o Jornal do Brasil já não tem versão impressa. A agilidade e qualidade da captura digital fazem com que o fluxo de trabalho seja todo digital. As câmeras de médio formato digitais ainda não possuem velocidade para aplicação com animais, alem do custo elevado.

Cinofilia-BR – No campo da composição fotográfica e da estética como é o seu processo, desde a capitação da imagem até o momento de sua conclusão.

Johnny –  A captação já é feita pensando na composição.

Cinofilia-BR – Como é ter um pai, mestre na Fotografia Equina?

Johnny –  Além de pai é meu melhor amigo… Sempre estamos aprendendo muito juntos e frequentemente executamos alguns trabalhos a 4 mãos.

Cinofilia-BR – Quais os fotógrafos que você poderia citar como sendo grandes nomes da fotografia?

Johnny- Adoro Miteldorff, Trípoli, Kappa, Ansel Adams, Bresson, Vergê, S.Salgado… gosto de fotografo com personalidade, aqueles que vc não precisa olhar o credito para saber quem fotografou…

Cinofilia-BR – Tenho visto que o amigo, produz alguns ensaios diferentes do campo de sua atuação, como por exemplo o ensaio com pessoas do mundo fitness. Como é este processo de criação, e em que estes outros campos melhoram ainda mais o seu olhar fotográfico?

Johnny- Isso é pura diversão… Aquele dia o barato foi “esculpir com as sombras”.

Cinofilia-BR – Nos fale de sua experiência com o desenvolvimento de livros. No Brasil isso ainda é pouco procurado e explorado. Existe interesse de sua parte em criar um livro específico sobre fotografia animal, com especialidade Canina?

Johnny- Falta tempo para desenvolver os meu projetos, mas com certeza, um dia isso irá acontecer.

Cinofilia-BR – O amigo conhece padrões de raças, estuda ou estudou sobre conformação animal. Como é o processo para retratar tão bem uma raça?

Johnny- Claro que não sou nenhum arbitro, tenho uma noção adquerida com os anos de experiência, mas sempre discuto com o cliente o que deve ser valorizado no animal.

Cinofilia-BR – Quais são as suas influências?

Johnny – Positivas… rsrsrs

 

 

Cinofilia-BR – Agrademos a por sua atenção com o nosso site.

Johnny – Foi um prazer…